O Instituto

CONSERVAR E PRESERVAR

Foto: João Marcos Rosa

O Instituto de Pesquisa e Conservação de Tamanduás no Brasil é uma Organização Não Governamental que surgiu em 2005 com a missão de impactar o mundo de forma íntegra e inovadora, através de ações de pesquisa, educação e de políticas públicas, favorecendo o equilíbrio do meio ambiente e sua biodiversidade. Hoje o Instituto conta com uma equipe multidisciplinar que trabalha diretamente com as espécies de Xenarthra brasileiros, junto a experiências em projetos de conservação e parcerias com instituições com o mundo todo, contribuindo para o comprometimento, integridade e qualidade do seu trabalho em prol da conservação.

Foto: Karina Molina

No âmbito educacional, a ONG conquistou espaço de renome com cursos teóricos e práticos em universidades, participação em simpósios e congressos nacionais e internacionais. Anualmente, desde 2011, promove o mais completo curso de campo, no Pantanal do Mato Grosso do Sul, para capacitação de profissionais que trabalham com fauna em vida livre.

No campo da pesquisa acadêmica, o Instituto Tamanduá desenvolveu estudos pioneiros nos biomas Pantanal (Norte e Sul), Amazônica, Cerrado e Mata Atlântica, e em cativeiro, com tamanduás, tatus e preguiças nas áreas de Biologia, Ecologia, Sistemática, Genética da Conservação e Educação Ambiental, sendo hoje referência no desenvolvimento de pesquisas científicas para geração de informações necessárias para a conservação destas espécies e de seus habitats.

Foto: Karina Molina

Na esfera das políticas públicas, o Instituto Tamanduá vem apoiando, colaborando e orientando a realização de programas, ações e atividades desenvolvidas pelo governo federal para a conservação destas espécies. Atualmente, a ONG é responsável pela coordenação do táxon no Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção, documento produzido, bianualmente, pelo Ministério do Meio Ambiente/ICMBio, sendo considerado a maior ferramenta para a criação de políticas de conservação no Brasil.

Além disso, a ONG coordena o Plano de Ação Nacional do Tatu-bola (Tolypeutes tricinctus e matacus), trabalha junto a outros pesquisadores no Plano de Ação Nacional para Conservação do Tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) e do Tatu-canastra (Priodontes maximus) produzido pelo Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (Ministério do Meio Ambiente), que identifica e orienta as ações prioritárias no combate às ameaças para estas espécies.

O Instituto Tamanduá atua ainda na elaboração de políticas públicas na Argentina, Peru, Colômbia e Suriname, e é responsável pela coordenação do táxon na Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas de Extinção a nível mundial, documento elaborado pela União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN). Possui cadeira no Conselho Consultivo da APA Delta do Parnaíba e no Conselho Deliberativo da RESEX Marinha Delta do Parnaíba.

Foto: João Marcos Rosa

INSTITUTO TAMANDUÁ: DESDE 2005 LEVANTANDO ESTA BANDEIRA!

COMPARTILHAR:

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
INSTAGRAM