Tamanduá-bandeira: biologia e ameaças

Foto Karina Abreu

Tamanduá-bandeira  (Myrmecophaga tridactyla): esse narigudo simpático e diferentão é a espécie que deu origem ao Instituto Tamanduá, e uma das espécies-chave para a manutenção dos ecossistemas onde estão inseridos.

Ele é membro da superordem Xenarthra, grupo de mamíferos que inclui os tatus, tamanduás e bichos-preguiça e surgiu na América do Sul entre 65 a 80 milhões de anos atrás.

 

Neste texto, compilamos as principais informações sobre esse animal e te contamos porquê ele precisa tanto de nossa ajuda. Continue acompanhando e se apaixone por essa espécie incrível!

Aparência singular!

Com uma aparência bem diferente, o tamanduá-bandeira chama a atenção por onde passa. Em primeiro lugar, pelo seu tamanho: considerando sua longa cauda, seu comprimento pode chegar aos dois metros, mas em média chega a 1,2m. Já o seu peso pode chegar a mais de 45 kg, mas em média pesa cerca de 31,5 kg.

 

Falando na cauda, ela deu origem ao nome desse gigante: bandeira. Afinal, durante o movimento, ela se balança exatamente como uma.

Foto: Instituto Tamanduá

Outra característica marcante é a faixa diagonal preta com bordas brancas que possuem em meio à grossa e comprida pelagem acinzentada. E claro, o seu focinho estreito e comprido, que abriga uma longa língua, de até 60cm de formato tubular. Especializados em comer cupins e formigas, os bandeiras usam sua língua repleta de saliva pegajosa para capturar os insetos dentro de cupinzeiros e formigueiros. 

Foto: RuralTecTV/Reprodução

Para abrir um buraquinho nessas firmes estruturas e pegá-los, eles contam com seus membros anteriores. Dos quatros dedos que possuem, o segundo e o terceiro apresentam garras longas e fortes, usadas tanto para auxiliar na alimentação quanto para defesa contra seus predadores, os grandes felinos (onças-pintadas e onças-pardas).

 

Ao caminhar, suas garras ficam voltadas para trás, encaixadas em seu coxim palmar. Assim, eles caminham apoiando o peso na parte posterior do membro.

Foto: João Marcos Rosa

Por outro lado, seus membros posteriores possuem 5 dedos, todos com unhas curtas. E por fim, o seu principal sentido é o olfato, seguido da audição e da visão, que não é bem desenvolvida. 

Comportamento

Os tamanduás possuem hábitos solitários, caminham sozinhos em busca de comida. É possível vê-los juntos em duas ocasiões: um casal em época reprodutiva ou uma mãe com seu filhote.

Para marcar território, eles podem deixar arranhões, em troncos de árvores. Isso pode ser uma forma de estresse, ou apenas de  comunicação entre os indivíduos.

 

Eles são mais ativos durante os períodos mais amenos do dia, afinal, não lidam bem com temperaturas muito quentes, nem extremamente frias. Normalmente, nos períodos mais frescos do dia, eles usam áreas abertas para a alimentação e nos períodos mais quentes, áreas florestais para repouso e abrigo.

 

Uma curiosidade, é que são excelentes nadadores, podendo atravessar rios largos. Inclusive, não é difícil serem encontrados tomando um bom banho. Na hora de dormir, usam sua bela cauda como camuflagem e como um cobertor para manter o corpo quentinho.

Foto: Bernard DUPONT / Wikimedia Commons

Alimentação

Sua dieta é composta por formigas e cupins, mas o consumo de larvas e adultos de besouros, assim como abelhas (e possivelmente mel), já foi documentado.

 

Em um único dia, um tamanduá pode consumir cerca de 35 mil formigas/cupins, possuindo uma importante função ecológica de controle populacional desses insetos.

Foto: Karina Abreu

Reprodução e longevidade

Os tamanduás-bandeira atingem a maturidade sexual entre 2,5 e 4 anos de idade e podem se reproduzir ao longo de todo o ano. A fêmea tem um filhote por gestação (embora, em raríssimos casos, houve relatos de gêmeos) e cada gestação dura cerca de 190 dias.

Foto: João Marcos Rosa

Após nascer, o filhote fica grudado nas costas da mãe por 6 a 9 meses, camuflando em meio a sua pelagem. À medida que cresce, ele começa a também se alimentar de insetos, reduzindo o consumo do leite materno, até que se torne independente.

 

Embora o bandeira tenha filho único, uma fêmea já foi vista com dois filhotes de tamanhos diferentes, grudados em suas costas.

Foto: Gustavo Figueroa

Não se sabe quanto tempo eles vivem em vida livre. Em cativeiro, o maior tempo registrado foi de 32 anos, no Zoológico de São Paulo.

Onde vivem?

Ocorrem em quase todos os biomas brasileiros: Pantanal, Cerrado, Caatinga, Mata Atlântica e Amazônia. E também em outros países da América do Sul e Central.

Mapa: Distribuição do tamanduá-bandeira IUCN (International Union for Conservation of Nature) 2014.

No Pantanal, onde trabalhamos, encontra-se uma das populações mais importantes para o país, que auxilia na conservação de todas as outras. A população pantaneira é uma das maiores contribuintes genéticas para as populações vizinhas, permitindo que a variabilidade genética continue viável.

Foto: Karina Abreu

Status de conservação

Infelizmente, a ampla distribuição dos tamanduás-bandeira não é sinônimo de abundância de indivíduos. As populações vêm diminuindo consideravelmente e a espécie é considerada internacionalmente como Vulnerável (VU).

 

No Brasil, já é considerada possivelmente extinta nos estados do Espírito Santo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro. Já nos estados do Paraná, Pará, São Paulo e Minas Gerais está ameaçada de extinção.

 

Em outras palavras, somente as populações do Pantanal e da Amazônia são relativamente estáveis. No Cerrado e na Mata Atlântica, as populações provavelmente estão diminuindo, podendo já estar quase extinta neste último bioma. E, já na Caatinga, a sua presença precisa ser melhor estudada.

 

Nos países Uruguai, Belize, Guatemala, El Salvador e em alguns locais da Argentina, sua possível extinção foi documentada.

O que está contribuindo para sua extinção?

Foto: Gustavo Figueroa

O desmatamento, que leva a perda e a fragmentação de seus habitats, está entre as principais ameaças. Além desta, podemos citar os incêndios florestais, grande ameaça em todo o país (mas vista claramente em nossos trabalhos no Pantanal), os atropelamentos, a caça, o envenenamento por agrotóxicos, enfermidades de animais domésticos e ataques de cães.

 

Infelizmente, são muitas as ameaças que os cercam e as suas populações estão reduzindo. Por isso, precisamos de todo o seu apoio para ajudar na conservação dos nossos amados tamanduás-bandeira!

Como ajudar?

Claro, uma das melhores formas de ajudar essa espécie é apoiar as instituições que trabalham direta ou indiretamente na conservação dos tamanduás e de seus hábitats. Mas aqui, viemos ressaltar outra valiosa forma de ajuda: a divulgação de conhecimento!

 

Muitas pessoas, por falta de informação, têm receio dos bandeiras. Vários são os mitos que os cercam. E como sabemos, é preciso conhecer para conservar. Por isso, seja em uma conversa ou até mesmo em suas redes sociais, não hesite em compartilhar conhecimento sobre esses animais!

Dezembro 2022
S T Q Q S S D
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

Projetos

um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *